domingo, 8 de janeiro de 2017

23 milhões na Suíça para a campanha de 2010! E agora, vão cassar o registro do PSDB?

Diferente do que ocorreu no caso do 'mensalão', em 2005, onde o golpismo buscou tornar o caixa dois objeto de crime de responsabilidade para cassar Lula e o PT, terminando por condenar sem provas José Dirceu e arruinar a saúde de um lutador inocente como José Genoíno, agora a estratégia de Moro/Mídia é criminalizar o caixa um.


Ou seja, o argumento da República de Curitiba é que as doações legais feitas pelas empreiteiras, o caixa um, é na verdade propina acertada previamente entre políticos e empresários. Assim, não importa a origem do dinheiro que financiou ou financiará as campanhas petistas, tudo é crime e pronto.

A despeito da podridão do financiamento empresarial de campanhas, verdadeira raiz da corrupção no Brasil, o estratagema de Curitiba tem um único alvo, Lula e o PT. Toda a argumentação do pedido de cassação da chapa Dilma-temer no TSE tem base neste argumento.

Mas eis que tudo tem o lado B, o inesperado, o efeito colateral.

Dos processos de tortura, ops, de delação premiada feitos em Curitiba, vez ou outra surge o bico e o rabo de uma ave bonita, um tucano. E apesar das enormes tentativas de esconder a ave, alguma coisa acaba escapando do controle.

Está mais do que provado que as mesmas empreiteiras que financiaram o PT também financiaram o PSDB, às vezes com mais recursos. Nas planilhas de doações constam nomes de todos os partidos e há inclusive pedido de dinheiro realizado dentro do Palácio do Jaburu feito pelo então vice Presidente, do PMDB.

Mas eis que uma das coisas que escapuliu das delações é esta: a campanha de José Serra em 2010 foi irrigada com 23 milhões de reais pagos em uma conta no exterior, na Suíça.

Bom, neste caso, o argumento de caixa dois ou caixa um tanto faz, a ilegalidade está em receber dinheiro no exterior para uma campanha no Brasil. Crime que pode levar à cassação da legenda.

Fica a pergunta: vão abrir um processo contra o PSDB ou mais uma vez não vem ao caso?

Blog O Calçadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário