domingo, 31 de janeiro de 2016

Recuperação do petróleo à vista: momento de pensar no Brasil!


Rússia, Quatar, Irã, Venezuela e Arábia Saudita buscam liderar um acordo dentro da OPEP para recuperar os preços do barril de petróleo, informa a Prensa Latina e o Brasil 247. O preço médio pode se estabilizar em torno dos 70 dólares.

Com um custo de produção em torno de 8 dólares o barril, o pré-sal brasileiro tem pela frente um cenário extraordinário com o barril sendo vendido a 70 dólares no mercado.

Enquanto a mídia tradicional brasileira, comandada por 6 famílias de magnatas, permanece em aliança com setores golpistas da sociedade na sanha de destituir Dilma e de destruir Lula, é hora do Brasil que pensa, que sonha, começar a cuidar do futuro.

O pré-sal, descoberto e nacionalizado por Lula, é sim um tremendo passaporte para o futuro. Em menos de 15 anos poderá estar gerando riquezas que poderão catapultar a educação e a ciência e tecnologias brasileiras, basta para isso retomarmos agora um projeto nacional de desenvolvimento.

Mas é preciso enfrentar o golpismo. A Lava Jato investe sem escrúpulos sobre o sistema nacional de engenharia, buscando inviabilizá-lo. Enquanto o governo busca acordos de leniência que permitam a sua retomada em outras bases, setores dissidentes dentro do aparelho de Estado fazem a política da terra arrasada, sob o argumento hipócrita do 'combate à corrupção'.

Enquanto uma crise mundial surgida no seio do capitalismo financeiro assola o emprego e renda da população mundial, o PSDB, aliado de Eduardo Cunha no golpe contra a democracia, busca passar por aqui, à revelia do voto, leis que entregam o pré-sal para as multi-nacionais e que restabelecem no país o mais brutal processo de retomada das privatizações do setor público, acabando com os mecanismos de Estado no controle das práticas do capitalismo selvagem.

Eis a disputa que se avizinha, senhoras e senhores. Desesperados com as quatro derrotas consecutivas para o campo da esquerda e trabalhista, o PSDB e a mídia, fiéis representantes do mais tradicional poder financeiro, buscam retomar o poder central do Brasil. O PSDB para retomar o que começou e não pode terminar nos anos 90 e a mídia para garantir via verbas estatais a sua sobrevivência, escapando da falência via tetas do Estado nacional, como sempre.

É hora de retomar a luta, de buscar a unidade do campo democrático e progressista. É hora de envolver os trabalhadores e o empresariado nacional que acredita no país. Denunciar os golpistas. Denunciar as artimanhas de uma mídia mentirosa, parcial e rasteira.

Os ventos fortes passarão e as oportunidades voltarão, junto com o valor do petróleo, e nossa obrigação é continuar a construir por aqui as bases de um país mais justo, aprofundando as políticas públicas que permitam a inclusão social, a diminuição das disparidades de renda, a democratização política e o desenvolvimento nacional.

Ricardo Jimenez

Nenhum comentário:

Postar um comentário