quarta-feira, 16 de agosto de 2017

OITO MESES DE GOVERNO NOGUEIRA: RETIRADA DE DIREITOS E CONQUISTAS DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL

Um dos primeiros embates entre o governo Nogueira e os Servidores aconteceram na greve geral, no início do ano.
Foto: Arquivo/O Calçadão


Por Sandro Cunha


1 - A demonização do servidor pode ser constatada em 14 medidas das 30 medidas saneadoras, propostas por Nogueira, antes mesmo de assumir o governo: aumentar em 14% a contribuição do servidor ao IPM; diminuição do horário de funcionamento das UBS para enxugar gastos; recadastramento de servidores alegando fraudes (Para o governo,
servidor, além de ganhar bem e ter muitos privilégios é fraudador); suspensão do pagamento dos 28,5%; reajuste ZERO aos servidores; suspensão dos planos de cargos, carreiras e salários; suspensão do pagamento em dinheiro da licença-prêmio e terça parte negociável das férias; fiscalização no processo de aposentadorias para evitar fraudes. (Para o governo, servidor, além de ganhar bem e ter muitos privilégios é fraudador); atualizar férias antes da aposentadoria para não pagar em dinheiro; rever incorporações de gratificações; rever privilégios funcionais da administração direta e indireta; rever processos de afastamento e rever acúmulos de benefícios de previdência.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Incêndio na Rodovia Geovana Aparecida Deliberto

Fogo se alastra na antiga Mário Donegá.
Fotos: Valéria Rodrigues


Aconteceu nesta madrugada (16), entre a Fundação Casa e o depósito das Casas Bahia, um incêndio na Rod. Geovana Aparecida Deliberto, antiga Mário Donegá.

Povo Sem Medo inicia jornada para estimular a população a pensar novo projeto para o País

A Frente Povo Sem Medo lançou ontem dia 14 o portal “Vamos! Sem medo de mudar o Brasil”.

A ideia é criar uma plataforma para agregar democraticamente contribuições da sociedade civil. Nela, as pessoas podem sugerir projetos e discutir propostas organizadas em cinco eixos: democratização dos territórios e meio ambiente; democratização da economia; democratização do poder e da política; um programa negro, feminista e LGBT; democratização da comunicação e da cultura.

“Não esperamos que soluções caiam do céu! Diante da maior crise institucional desde a redemocratização, sem medo, decidimos construir a saída com nossas próprias mãos”, afirma a organização. Além de estimular a mobilização no ambiente virtual, a Frente Povo Sem Medo, que reúne mais de 27 movimentos sociais, coletivos e sindicatos de trabalhadores, pretende realizar eventos em diversas capitais do país para apresentar o projeto e seus resultados.

De novo, a armadilha das "Diretas Já" José Arbex Jr.




 Por José Arbex Jr. Caros Amigos

A falência do governo Temer trouxe à tona a demanda pela convocação de eleições “diretas já”, estabelecendo um vínculo político com o movimento que, em 1984, marcou a transição do regime militar para a suposta democracia no Brasil. Setores importantes da esquerda abraçam a perspectiva, incluindo a Frente Brasil Popular (que reúne os mais importantes partidos da esquerda, centrais sindicais e movimentos sociais, incluindo o PT, a CUT e o MST), o MTST, artistas e intelectuais. “Diretas já” parece ser, portanto, a via encontrada pela esquerda para dar um basta ao governo golpista e criar os meios para impedir a realização das reformas trabalhista e previdenciária que ameaçam golpear profundamente a juventude e os trabalhadores brasileiros.
Será?

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

sábado, 12 de agosto de 2017

Repudiar com veemência a ameaça de Trump em trazer a guerra para a América do Sul!


O ex-chanceler Celso Amorim repudiou com veemência a ameaça do governo dos Estados Unidos de fazer uma intervenção militar na Venezuela.
"A ameaça de uso da força tem que ser repudiada com veemência. Além de violar princípios básicos do Direito Internacional, ameaça trazer uma guerra civil, um novo Vietnã para a América do Sul e a nossa fronteira", declarou o diplomata, que também foi ministro da Defesa.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Nogueira presta contas do governo a empresários, mas a população...


O número dos moradores de rua tem crescido substancialmente nos últimos 12 meses.
Foto: Filipe Peres


Por Fábio Sardinha

Engraçado um prefeito eleito pela maioria da população de uma cidade se dedicar tanto para prestar contas e aparecer apenas para um grupo desta sociedade. O prefeito Antonio Duarte Nogueira (PSDB/SP) já foi em evento da Coclândia que é a mini cidade da escola particular, inauguração de centro médico de shopping, apoia e participa ativamente de lançamentos de empreendimentos particulares e como se pode ver em recente matéria publicada no site da prefeitura (clique aqui),  ele presta contas do governo a empresários tendo como mediador Maurílio Biagi Filho, conhecido empresário rural de nossa cidade.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Veja porque não está saindo moradia para faixa 1

(foto: F.L.Piton / A Cidade)
Temer Canalha Golpista anunciou que famílias com renda de até R$ 9 mil poderão ter acesso aos financiamentos do Minha Casa, Minha Vida. Atualmente, o limite para participar do programa é R$ 6,5 mil.

Em São Paulo o teto para construção passará de R$ 225 mil para 240 mil.

Ou seja, enquanto o povo não acordar e reivindicar seus direitos na rua, este governo traidor não vai atender os projetos de interesse social.

O governo anunciou em 24 de março de 2017 que contrataria 35.000 unidades em todo país. Já são poucas unidades e ainda cada mês a publicação é adiada.

Para arquivar o processo de investigação por corrupção, Temer Canalha Golpista liberou R$4,1 bilhões em emendas parlamentares.

Deputados federais que mais receberam verbas de emendas em 2017
Sérgio Reis – R$ 8,3 milhões
Baleia Rossi – R$ 7,5 milhões
Alexandre Serfiotis – R$ 7,4 mi
Celso Russomanno - R$ 7,4 mi
Rossoni - R$ 7,1 mi
Laerte Bessa - R$ 6,9 mi
Lucio Mosquini - R$ 6,9 mi
Paulo Maluf - R$ 6,6 mi
Luiz Lauro Filho - R$ 6,5 mi
Flaviano Melo - R$ 6,4 mi
Rubens Bueno - R$ 6,4 mi
Jorginho Mello - R$ 6,3 mi

Com este valor seria possível construir cerca de 43.200 moradias populares, mais do que a previsão para o orçamento deste ano no Brasil inteiro.

Os Movimentos de Luta por Moradia em todo Brasil estão em alerta e prontos para atuar para a retomado da contratação dos projetos que atenda os mais necessitados.

É hora de fortalecer a luta e a organização popular. Não vamos deixar que os golpistas retirem de nós as coisas mais importantes que temos: a esperança e a coragem de lutar!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Encontros na calada da noite no Jaburu: a democracia acabou e a vergonha dominou!

Do DCM 

Não tenho mais dúvida que a chefe nomeada da PGR, Raquel Dodge vai ser uma marionete de Temer, tal qual Rodrigo Maia o é na presidência da Câmara dos Deputados.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Burguesia brasileira não tem projeto nacional e vive de juros! Leonardo Sacramento



Hoje a burguesia brasileira vive de juros! 
Esse é o principal motivo que qualquer política que se fundamente no desenvolvimentismo fracasse, não interessa qual.

Educação, Saúde e Daerp na mira da privatização?


No dia de ontem, o professor Danilo Valentim escreveu um importante artigo aqui neste blog (aqui).

Ao discutir algumas propostas da Administração Nogueira para a educação municipal, cuja pedagogia será comandada pela fundação Lemman (magnata dono da AMBEV), Danilo tocou em uma questão central: Nogueira aponta um rumo privatista em toda a estrutura pública do município?

Franciscanos dão o recado: caminhar com Francisco e lutar pela reconstrução do Brasil!


Um encontro histórico dos franciscanos e franciscanas de todo o Brasil proclamou em carta aprovada por unanimidade neste domingo (6) a adesão incondicional ao papado de Francisco e definiu como missão: “participar da reconstrução da Igreja com o Papa Francisco e reconstruir o Brasil em ruínas”. Trata-se de uma citação de um dos momentos mais conhecidos e cruciais da trajetória de São Francisco que, em 1205, na abandonada igreja de São Damião, em Assis, ao contemplar um crucifixo ouviu o que lhe parece uma mensagem direta: “Não vês como está a minha Igreja? Está em ruínas. Vai, e reconstrói a minha Igreja”. O mantra do encontro, repetido por quase todos os palestrantes e nas homilias durante as missas foi: voltar a Assis –retomar o espírito original de São Francisco.

Encontros fora da agenda e na calada da noite. A degradação moral do Brasil!


Duas figuras que ocupam postos de grande importância dentro da estrutura pública brasileira, cargos que requerem decoro, formalidade, respeito à norma.

Duas figuras que se encontram fora da agenda oficial, nas noites de domingo, na residência oficial do atual Presidente da República. Para falar sobre o que?

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

GOVERNO QUER IMPLANTAR MAIS UM MODELO EMPRESARIAL NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL





Por Danilo Valentim

Hoje algumas escolas da Rede Municipal receberam a informação por meio de diretores, que as unidades terão que elaborar o PDCA (Modelo empresarial que gere os processos e relações internos de uma escola: Agir/Planejar/ Checar e Fazer).

Cefalexina


Foto: Filipe Peres


Tudo em mim está com odor de antibiótico:
meu hálito
meu andar
minhas fezes
minha reação.
A bactéria entrou, coagulou-se em minha veia principal e por lá ficou.

Escola sem partido: está na hora de dar um basta a este entulho reacionário!


O denominado 'escola sem partido' é um ranço autoritário que surgiu em meio à onda intolerante e reacionária que tomou conta do país nos últimos tempos. Tempos de golpes na democracia, de perseguições políticas e de suspensão de garantias constitucionais.
Em tempos assim, o ranço autoritário desperta da tumba, geralmente afetando as liberdades democráticas e os setores sociais mais expostos e fragilizados.
O 'escola sem partido' não passa de perseguição política e ideológica contra aqueles que o grupo reacionário identifica como 'esquerdista'.
É um movimento covarde, que procurar atacar o intimidar as pessoas usando da chantagem e da perseguição pelas sombras.
O alvo é a democracia em sala de aula e qualquer conteúdo ou atitude que busque conscientizar os alunos, propor debates sobre temas polêmicos seja no campo da política ou do comportamento, como, por exemplo, o debate sobre identidade de gênero, cotas, organização estudantil.
É um monstrinho perigoso que precisa ser enfrentado e denunciado à luz do direito e da articulação entre professores e estudantes.
Abaixo, artigo publicado na Carta Educação sobre o tema.


Pedro Mara, professor da rede estadual do Rio de Janeiro e diretor do CIEP 210 Mario Alves de Souza Vieira, em Belford Roxo, no Rio de Janeiro, certamente vem enfrentando o pior desafio de sua carreira docente.

Perseguição à Teologia da Libertação foi baseada em fraudes, por Mauro Lopes

Dom Orani Tempesta, cardeal arcebispo do Rio,  e Bento XVI. Um, protagonista da perseguição à Teologia da Libertação; outro, beneficiário. Ambos responsáveis pela crise da Igreja no Brasil 

Perseguição à Teologia da Libertação baseou-se em duas fraudes, indicam pesquisas

Houve três razões, nenhuma delas efetivamente teológica, que moveram o combate à Teologia da Libertação no Brasil e na América Latina a partir de 1978, início do pontificado de João Paulo II e durante todo o papado de Bento XVI, até 2013 – 35 anos, portanto. O presente artigo, apesar de mencionar as três, tem foco em duas delas e apresenta pesquisas recentes segundo as quais: i) ambas basearam-se em argumentos fraudentos; ii) o governo conservador da Igreja Católica no Brasil nesse período foi um rotundo fracasso.

As três razões:

EUA deram a ordem: querem a troca de regime na Venezuela!


As tentativas de interferência dos EUA nos assuntos internos da Venezuela ocorrem desde que Hugo Chaves chegou ao poder pelo voto em 1997.

Sentindo-se fortalecido, desgoverno Temer retoma a reforma da Previdência!


Enquanto continua a promover encontros fora da agenda no Palácio do Jaburu, onde mais uma vez realizou encontro no domingo à noite com o 'ministro' Gilmar Mendes, Temer e seu desgoverno se sentem fortalecidos para retomarem a agenda da reforma da Previdência.

domingo, 6 de agosto de 2017

Bancada BBB é a grande força política pós-golpe!


São, ao todo, 373 deputados que congregam a chamada bancada BBB: Boi, Bala e Bíblia.

Seus interesses e representantes sempre existiram, mas nunca em um nível de articulação e operacionalidade unificada como agora.

sábado, 5 de agosto de 2017

Sem candidato viável e com crescimento de Lula, golpismo se move para melar 2018!


E somente o povo poderá ser o ponto decisivo em favor da democracia...

O bando de corruptos que articulou, lastreados em 15 bilhões de reais de dinheiro público, a votação que salvou Temer da investigação e do afastamento temporário da Presidência esta semana, trama um novo golpe contra a democracia: a não realização das eleições de 2018!

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

O Brasil não suportará mais tempo ao governo Temer/Aécio!


Nesta sexta, 04/08, o comandante do Exército, General Villas Boas, foi taxativo: "o contingenciamento está paralisando as ações estratégicas da força terrestre".

Não é só o Exército brasileiro que está morrendo de inanição!

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Presidenta da APEOESP se posiciona contra projeto de Duarte Nogueira


Maria Izabel Azevedo Noronha, Presidenta da APEOESP, falou sobre o projeto do Professor Delívery/Uber

Em visita a Ribeirão Preto no último dia 2, em entrevista ao deputado estadual, João Rillo, a Presidenta da APEOESP Maria Izabel Noronha falou sobre o projeto que transforma o professor em "Professor Delivery" (apelidado de Uber, por ela).

Confira a sua fala, abaixo:

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

O Calçadão fará cobertura do 14º Encontro Nacional de Moradia Popular

A União Nacional por Moradia Popular e a União dos Movimentos de Moradia de São Paulo promovem o 14º Encontro Nacional de Moradia Popular, que será realizado de 3 a 6 de agosto de 2017, em São Paulo-SP, com o lema:

“NENHUM DIREITO À MENOS: Em Defesa do Direito à Moradia e da Função Social da Propriedade”.

O 14º Encontro Nacional contará com a participação de cerca de 1000 delegadas e delegados de 20 Estados brasileiros, reunindo lideranças populares dos diferentes estados brasileiros em um momento de reflexão, formação, integração, troca de experiências e desenvolvimento de sentimento de pertença ao movimento.

A pauta se concentra na reflexão sobre o direito à cidade e à moradia, com diferentes visões e perspectivas da conjuntura política Nacional. Os debates serão focados em três eixos básicos:
1) nesta conjuntura adversa, queremos discutir a democracia que está em risco, a tarefa de derrubar o golpe nas ruas e lutar por nenhum direito a menos;
2) será debatido o papel estratégico da UNMP em defender a autogestão e lutar pelo cumprimento da função social da propriedade;
3) vamos trabalhar a organização interna do movimento para enfrentar o atual momento político e para os novos desafios e lutas que virão. Por isso, um dos objetivos é fortalecer nossas alianças no campo popular.


É hora de fortalecer a luta e a organização popular. Não vamos deixar que os golpistas retirem de nós as coisas mais importantes que temos: a esperança e a coragem de lutar!

O Governo Temer seguirá respirando por aparelhos

A crise e a polarização política não pararam de se agravar, mas o cansaço dos cidadãos e a ausência de uma alternativa clara atuaram como elemento desmobilizador


A má saúde de ferro do Governo Michel Temer se submete nesta quarta-feira a outro teste decisivo. E os prognósticos são de que a gestão convalescente conseguirá superá-lo, embora vá continuar respirando por aparelhos. A Câmara dos Deputados votará se aceita dar prosseguimento à denúncia apresentada contra Temer pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que acusa o presidente de corrupção passiva. Um voto favorável significaria que Temer seria afastado do cargo por até seis meses. Para isso é necessário o apoio à denúncia de dois terços da Câmara –342 dos 513 deputados– um objetivo que parece inalcançável para os adversários do presidente.


Os brasileiros assistirão nesta quarta-feira a uma liturgia bem conhecida, muito semelhante à que há 14 meses resultou na destituição da presidenta anterior, a petista Dilma Rousseff. O julgamento do Congresso alcança agora aquele que era o vice-presidente de Rousseff, Michel Temer, que aproveitou o impeachment de sua então aliada para tomar o poder e formar um novo Governo, de centro-direita. Ao contrário de sua antecessora, que foi submetida a um julgamento meramente político, contra Temer paira agora uma denúncia penal, já que é acusado de cobrar, através de intermediários, subornos de um dos maiores empresários do país. Mas a Constituição brasileira impede a abertura de um processo contra um presidente sem o aval de uma maioria qualificada de deputados da Câmara, que, como em abril do ano passado, desfilarão um a um para anunciar o motivo de seu voto. No entanto, desta vez se pretende evitar um espetáculo como o então vivido, quando os parlamentares justificaram sua posição com argumentos que foram do ridículo (um chegou a dedicar o impeachment aos agentes de seguros) ao sinistro (o político de extrema direita Jair Bolsonaro votou evocando o nome do militar que durante a ditadura torturou a então guerrilheira Rousseff).


A crise e a polarização política vividas em maio de 2016 não pararam de se agravar nesse período. Mas, ao contrário da época do impeachment de Rousseff, as ruas não fervem com protestos. Apesar de Temer já ter superado os índices de impopularidade de sua antecessora –tem míseros 5% de apoio, segundo as últimas pesquisas–, o cansaço dos cidadãos e a ausência de uma alternativa clara ao atual presidente atuaram como elemento desmobilizador. Os deputados puderam sentir a opinião de seus eleitores nas duas últimas semanas, já que as férias parlamentares de meio de ano lhes permitiram se retirar para seus respectivos feudos, longe da bolha política de Brasília. Os contrários a Temer forçaram o adiamento da votação para depois desse recesso, na esperança de que o contato com a rua e com a indignação popular pela corrupção sem limite ajudasse os aliados do Governo a refletirem. No entanto, o presidente não ficou quieto e tudo indica que tem margem suficiente para superar o teste.


Temer, curtido durante décadas nos porões da política brasileira e de seu intrincado jogo de interesses, recorreu a todas as suas habilidades para tentar deter o ataque. Atendeu a multimilionários pedidos de dinheiro requeridos por alguns deputados para seus respectivos territórios, apesar de que tais concessões põem em perigo o ajuste fiscal, um dos grandes objetivos proclamados pelo Governo. Cedeu às pretensões de um dos lobbies mais influentes do Congresso, a chamada bancada ruralista, distribuída entre vários partidos e que encarna os interesses dos grandes negócios agrários. Para ganhar seu voto foram feitos gestos como abrir a porta a novos desmatamentos na Amazônia ou o freio à demarcação das terras indígenas, cobiçados pelos latifundiários e pelas indústrias de setores como o da energia.

Embora em um sistema político como o brasileiro, com cerca de 30 partidos e sem disciplina de voto, sempre possa surgir uma surpresa, Temer parece prestes a sair vivo. Entre seus opositores alguns defendem que a melhor maneira de desgastá-lo é não comparecer na votação desta terça-feira para impedir que possa ser realizada por falta de quórum (é necessária a presença de 342 deputados). Isso deixaria Temer "sangrando", segundo a expressão cunhada por muitos parlamentares, com a ameaça da denúncia pairando sobre ele indefinidamente. E com a possibilidade de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, transformado na nêmesis do presidente, apresente uma nova denúncia, como já insinuou. Janot –vilipendiado em público por Temer– tem pouco tempo porque seu mandato acaba em 17 de setembro. Mas ele mesmo o avisou, recorrendo a um provérbio oriental: "Enquanto houver bambu, vai ter flecha".

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Reintegração desastrosa na Vila Guiomar em Ribeirão Preto

Reintegrações ilegal e truculenta da fiscalização na Vila Guiomar em Ribeirão Preto. 
Com mais de 15 carros da prefeitura, cerca de 3 viaturas da PM, guarda municipal 5 carros, Daerp com 2 tratores, tudo sem aviso algum é sem ação judicial.
Ação acabou sendo frustrada pela organização dos moradores e incompetência da fiscalização.