terça-feira, 30 de maio de 2017

Pela democracia, o STF precisa se pronunciar sobre a legalidade do impeachment de Dilma!


Estivéssemos em plena vigência da democracia e o impeachment da Presidente Dilma seria impossível.


Primeiro porque não havia provas de crime de responsabilidade. Depois, porque o processo foi viciado do começo ao fim: o pedido foi uma encomenda do PSDB para dois de seus filiados e a condução foi feita por um sabido criminoso que agiu por vingança contra o governo que se negou a salvá-lo no Conselho de Ética.

O STF deve muito nesse processo. O pedido de afastamento de Eduardo Cunha chegou à Corte em dezembro de 2015 mas só foi apreciado após a conclusão do processo de impeachment em maio de 2016.

E hoje se sabe que a eleição de Cunha para a Presidência da Câmara também foi um processo viciado, com a compra de mais de 120 mandatos com dinheiro de propina.

Ou seja, todo o processo de impeachment que feriu a democracia e provocou a maior crise política e econômica da história recente do país foi inteiramente recheado de ilegalidades e de omissões.

Vale a frase do ex-Presidente Lula: "O STF está acovardado..." se referindo à pressão da mídia e sua parceria com a seletividade da Lava Jato.

O pronunciamento do STF sobre a legalidade do impeachment é um dos passos fundamentais para se restaurar a democracia no país.

Se não houve crime e o processo foi viciado, o mandato de Dilma deve ser devolvido.

Dilma, dessa forma, conduziria o país até as eleições de 2018, juntamente com uma convocação de uma mini-constituinte da reforma política, que Dilma já havia sugerido em 2013, quando todo esse processo de golpe teve início.

O grito Julga, STF! deve se somar ao Fora, Temer! e Diretas, já!

Ricardo Jimenez

2 comentários:

  1. Elizabeth Paz de Almeida12 de junho de 2017 10:55

    O mandato de Dilma tem de ser devolvido. Que o pedido de
    anulação do seu impedimento
    ilegítimo seja imediatamente
    acolhido pelo STF. ÚLTIMA
    CHANCE DE ARRANCAR MAIS ESTA
    NÓDOA DE NOSSA SUBNUTRIDA HISTÓRIA DEMOCRÁTICA!

    ResponderExcluir