quinta-feira, 31 de março de 2016

Lançamento da Frente Brasil Popular Macro Ribeirão 30/03/2016


Unidade da esquerda ribeirão-pretana no lançamento da Frente Brasil Popular!

Foto: Jaqueline de Brino

Na noite da última quarta-feira, 30 de março, ocorreu na Câmara Municipal de Ribeirão Preto o encontro de lançamento da Frente Brasil Popular Macro Ribeirão.

Estiveram presentes representantes do PT, PCdoB, CUT, Federação dos Funcionários Públicos Municipais, Apeoesp Articulação, Sindicato dos Servidores de Ribeirão Preto, Sindsaúde e mais 23 entidades do movimento popular, entre movimentos estudantis, como a UJS, lideranças do movimento negro, movimento por moradia, MST, representantes religiosos como Padre Chico e Mãe Regina, juristas, intelectuais e artistas.

As mais de 300 pessoas puderam presenciar as falas dos oradores no sentido de contribuir com a ampliação do movimento em defesa da democracia e contra o golpe do impeachment arquitetado pela mídia, PSDB de Aécio e PMDB da dupla Temer e Cunha.

A Frente Brasil Popular Macro Ribeirão é um fundamental instrumento de ação política reunindo a esquerda ribeirão-pretana e os movimentos sociais progressistas da cidade. É uma contribuição de Ribeirão Preto na luta maior que ocorre em nível nacional e que cresce a cada dia.

Como afirmou o advogado e ex-presidente da OAB RP, Dr. Jorge Marcos, presente no ato, "impeachment sem um crime de responsabilidade é golpe e esse mecanismo já foi usado em outras épocas da nossa história, sempre se buscando mascarar um golpe com uma tentativa de vestimenta legal".


Foto: Filipe Peres
O vereador Beto Cangussu, que no dia anterior conseguiu a aprovação de seus pares de uma moção de repúdio contra a entrada da OAB nacional no movimento do impeachment, afirmou: "A Câmara de Ribeirão Preto, apesar do desgosto da imprensa local, deu um exemplo. Não é possível que possamos concordar com um processo de impeachment eminentemente político, sem provas contra a Presidente, isso é golpe, sim. E, infelizmente, a OAB acabou passando vergonha pois até o Eduardo Cunha acabou fazendo chacota da entidade. Lamentável".


Aos gritos de 'Não vai ter Golpe', a plenária ouviu a leitura do manifesto de lançamento da FBP-RP e, ao final, três ônibus partiram lotados rumo a Brasília, para participarem hoje da Marcha dos Cem Mil contra o golpe.

O blog O Calçadão, presente no evento, assina a ata de fundação da Frente Brasil Popular de Ribeirão e também se soma ao grito:

Não vai ter Golpe!

Ricardo Jimenez


















O Pixuleco morreu em Ribeirão Preto!!

Em mais um ato de coragem e determinação da juventude do PCdoB, que tem matado Pixulecos Brasil à fora, foi morto com uma facada certeira mais um boneco infame produzido pelos coxinhas reaças.

A novidade? Foi em Ribeirão Preto!

Em uma manhã vergonhosa, onde parte do empresariado local obrigou funcionários a vestirem preto e pressionou os comerciantes a fecharem as portas para turbinarem mais uma micareta coxinha, a jovem comunista furou o cerco fascista, partiu em direção ao boneco e, com destreza, abriu uma brecha na barriga do monstrinho, que murchou diante de todos.

A coxinhada gritou, protestou, tentou agredir a jovem comunista mas era tarde, o Pixuleco morrera.

Indagada sobre sua atitude, a jovem comunista disse:"Matei e se vier outro, passo a faca de novo. Esse boneco da vergonha, que representa o desejo de uma elite em retirar direitos conquistados pelo povo trabalhador não merece viver".

Na delegacia, o delegado perguntou ao rapaz com a camisa da CBF: "De quem é o boneco?". Pasmem, não houve resposta. O Pixuleco não tem dono, nem nota fiscal, nem endereço. Se não há dono, não há crime contra o patrimônio. Assunto encerrado.

E assim o Pixuleco sem dono, indigente, morreu, em Ribeirão Preto!

Ricardo Jimenez

quarta-feira, 30 de março de 2016

Cara de pau! Alckmin insulta com 2,5%, brinca com o bônus e põe a culpa no sindicato!


Tem momentos que eu, sinceramente, não consigo acreditar. Primeiro no tamanho da cara de pau de Geraldo Alckmin e, depois, na capacidade de alguns professores de se deixarem, ou gostarem, de ser enganados por ele.

Exatamente ontem, dois dias antes de, por lei, o governador ter de pagar o bônus por resultado anual, baseado na nota do SARESP 2015, Alckmin vem com uma novidade: iria incorporar o bônus no salário de todo mundo, o que daria, segundo ele, para reajustar o salário de todos em 2,5%.

Uma piada, óbvio. Aliás, uma piada só capaz de ser contada por um tucano, que não tem o menor respeito pelos servidores. Mas o mais interessante da piada é que Alckmin jogou a culpa no sindicato, na Apeoesp, e teve professor que acreditou!

A história é a seguinte: o bônus é parte da política de meritocracia tucana, uma manobra contábil para não aumentar o salário da categoria como um todo e ainda criar dentro dos professores as fissuras e arestas advindas da diferenciação profissional criada a partir de um mecanismo injusto como o bônus.

O sindicato, com toda razão, sempre foi contra essa política e todos os anos luta para que o bônus seja incorporado aos salários, junto com as reposições salariais justas. E assim o sindicato procedeu de novo. Corretíssimo!

Só que malandramente, de maneira covarde, o governo Alckmin, que já vinha dando sinais de que faria palhaçada com o bônus este ano, resolveu anunciar que estava incorporando o bônus deste ano, ou seja, agindo de maneira cretina com os profissionais que já o aguardavam, e que com isso daria 2,5% de aumento salarial para todos.

Um insulto, uma safadeza!

Mas, como com tucano tudo pode ser ainda pior, o governo resolveu lançar, com apoio de seus asseclas, a falsa notícia de que esta decisão teria o aval da Apeoesp.

E teve professor, aliás, muitos que ficaram furiosos com o....sindicato!!!

Incrível!

Há dois anos este governo brinca com a categoria não dando nem sequer a reposição da inflação. Simplesmente ignorou uma greve de 92 dias. Tentou empurrar goela abaixo da categoria uma reorganização criminosa (só barrada em parte pela ação dos estudantes que ocuparam as escolas), cortou a possibilidade de evolução funcional a partir dos cursos da Escola de Formação, não paga desde agosto o aumento da prova de mérito...e tem professor que prefere ficar bravo com o sindicato!!!

A educação pública paulista está à falência. Por aqui, como já ocorre no Paraná e em Goiás, espera-se a qualquer momento a tentativa de terceirização da educação. Governos tucanos são uma tragédia por onde passam.

E aguardem, amanhã o governador vai pagar o bônus, e novamente, brincando com a cara de todos, vai depositar 500 reais na conta de meia dúzia e dizer que é culpa da Dilma.

E tem professor que vai acreditar!

Ricardo Jimenez


Presidenta Dilma lança 3a fase do Minha Casa Minha Vida!

A Presidenta Dilma Roussef, legitimamente eleita com 54 milhões de votos, lança no dia de hoje a tão aguardada terceira fase do Programa Minha Casa Minha Vida.

Até hoje foram mais de 4 milhões de moradias destinadas à população trabalhadora do Brasil.

A terceira fase garante recursos para a modalidade Minha Casa Minha Vida Entidades, destinadas para a população participante dos movimentos sociais por moradia e que realizam os projetos através da autogestão.

Em discurso, a Presidenta reafirmou sua posição de lutar pelo seu mandado legitimamente extraído das urnas.

"Impeachment contra uma Presidente que não é acusada de nenhum crime, apenas para contemplar apetites políticos, é golpe!", afirmou Dilma.

A cerimônia terminou aos gritos históricos de 'Não vai ter golpe!'.

O Calçadão

Com apoio da ACI, empresários golpistas tentam fechar o comércio, mas fracassam!

Foto: Ricardo Oliveira

Não passou de meia dúzia a tentativa dos empresários golpistas, com apoio da ACI, de fecharem o comércio do centro de Ribeirão Preto nesta manhã de quarta-feira.

Em meio aos gritos histéricos de uns gatos pingados, e alheias ao que ocorria, as pessoas levavam sua vida normalmente. Nos bairros populares a vida seguiu ainda mais normal, com o povo pegando duro no batente para enfrentar a crise e olhar para o futuro sem ódio, mas com esperança.

Em uma da meia dúzia de lojas que fechou sob pressão patronal, nosso colaborador presente no centro pergunta para uma funcionária vestida de preto e segurando uma bandeira do Brasil: "Você obedece cegamente o seu patrão? E greve pra aumentar seu salário, você não faz?". Constrangida, ela responde: "Ele paga o meu salário, então eu faço o que ele manda".

Todo esse constrangimento imposto aos funcionários mereceu total silêncio até agora do Sindicato dos Comerciários.

Ribeirão Preto tem ficado conhecida como a 'capital coxinha', por causa do tamanho dos atos anti-PT que por aqui se fizeram, sempre com total apoio dos empresários locais, assim como a FIESP financia as 'manifestações' em nível estadual e nacional, gastando ontem cerca de 5 milhões de reais em matérias pagas nos principais jornais com propaganda golpista.

Mas este blog já acompanhou essas 'manifestações' locais. Não há trabalhadores, não há negros, apenas uma classe média que se enxerga como elite e que só reconhece Ribeirão Preto da Nove de Julho rumo a Fiúsa. Nenhum bairro popular de Ribeirão Preto registrou alguma manifestação golpista, pelo contrário, o povo trabalhador está insatisfeito com o governo, e com razão, mas não se identifica nenhum pouco com o coxinha de camisa da CBF.

O movimento patronal golpista de hoje foi um fracasso e cresce todo dia a mobilização anti-golpe.

Hoje às 20h, no Salão Nobre da Câmara Municipal, será lançada a Frente Brasil Popular Ribeirão Preto. Estarão presentes os movimentos populares da cidade, juristas, artistas e todos aqueles que se unem contra um impeachment golpista patrocinado por milionários, por uma mídia corrompida e pela aliança do PMDB de Cunha e Temer com o PSDB de Aécio, Serra e Alckmin.

Enquanto indagava a pobre funcionária de preto em frente a ACI, nosso colaborador viu e ouviu em um prédio em frente pessoas com o braço levantado gritando:

Não vai ter golpe!!!

Ricardo Jimenez, a partir das informações do meu companheiro e xará Ricardo Oliveira.

terça-feira, 29 de março de 2016

Eduardo Cunha faz o que quer e zomba da cara do Brasil!

Hoje se sabe que Eduardo Cunha chegou à Presidência da Câmara após longo período operando no submundo da política.

As investigações mostram que Cunha operava cerca de 20 contas no exterior com dinheiro de propina, da Petrobrás, de Furnas, de todos os lugares possíveis. Assim, chegou à Presidência da Câmara porque em 2014 conseguiu levar com ele cerca de 60 deputados fiéis, todos eleitos na base da grana amealhada por Cunha.

À frente de sua bancada particular, Cunha encontrou aliados pelo caminho. O principal, Aécio Neves e a parte do PSDB aecista. Se sabe hoje que tanto Cunha quanto Aécio tiveram seus 'lucros' em Furnas cortados por Dilma, e, por isso, partiram furiosos para cima da Presidente.

O golpismo ganhou força. Cunha se tornou o 'dono' da Câmara. Se perdia uma votação, botava de novo para votar no outro dia, até ganhar. Denunciado no Conselho de Ética, fez de tudo para atrasar os trabalhos e, agora, lança mão de um projeto de lei que altera a composição do Conselho de Ética para ter maioria lá.

Cunha é um escárnio ao Brasil!

Cunha zomba da cara do país!

Junto com o PSDB, o PMDB (do seu parceiro Temer) e contando com a proteção da mídia, da Lava Jato, da Procuradoria-Geral, Cunha vai buscar derrubar do poder a única pessoa que não é acusada de roubar e nem de cometer qualquer malfeito, Dilma.

Temer, Cunha, Aécio, Serra, Gilmar, Globo vão montar o novo governo após a queda de Dilma. Um governo que já aponta seus canhões para alvos específicos: a CLT, os programas sociais, a Petrobrás (e o pré-sal), Caixa Federal e Banco do Brasil.

Tudo isso montados na grana empresarial, que será devidamente constitucionalizada, e em uma lei anti-terrorismo que criminaliza movimentos sociais.

É o assalto ao país praticado por um sindicato do crime, do entreguismo e da vergonha nacional.

Enquanto isso, sob as barbas do STF, o PT é escorraçado da política, em nome do 'combate à corrupção'. com apoio de milhões de coxinhas vestidos com a camisa da CBF e sob os olhos do povo trabalhador abobalhado, sem saber o que fazer desde que Dilma resolveu iniciar seu segundo mandato tomando atitudes para agradar o mercado.

É contra este cenário de caos que milhões de progressistas e democratas tentam lutar e mobilizar forças, em defesa da democracia, da soberania nacional e contra este golpe pérfido que a banda podre da política tenta aplicar no país.

Defender o mandato de Dilma, defender Lula contra o arbítrio, defender o PT da perseguição fascista e defender a democracia contra esses vampiros políticos é dever de cada um que honra a história de luta do povo brasileiro.

Ainda há tempo para o despertar, ainda há tempo de luta.

Ricardo Jimenez

Lançamento da Frente Brasil Popular RP nesta quarta!! Compareçam!

Nesta quarta-feira às 20h30, no Salão Nobre da Câmara Municipal de RP, será lançada a Frente Brasil Popular da macro região de Ribeirão. Estarão presentes partidos de esquerda, sindicatos, entidades estudantis, movimentos populares, juristas, artistas e personalidades.

O Ato em Defesa da Democracia e contra o golpe desferido por forças conservadoras e corruptas contra o mandato legítimo da Presidente Dilma será o mote para o lançamento da FBP-RP.

A FBP atua no Brasil todo e também é constituída por coordenações estaduais e regionais.

A luta contra o golpe e em defesa da democracia cresce em todo o país e ganha apoio internacional.

Entre nesta luta. Compareça na Câmara nesta quarta.

O blog O Calçadão estará presente, venha conosco!

Golpe, Não! A Luta é nas ruas e voto a voto no Parlamento!! Rodrigo Vianna - Escrevinhador

Hoje é dia de guerra psicológica.

Anúncios em jornal (ao custo de 5 milhões de reais pagos pela FIESP) e rompimento do PMDB...

Querem criar clima de que "acabou o jogo".

Isso é falso!

Oposição, mesmo com PMDB, não tem 342 votos para dar o golpe. Ainda não tem.

Mil conversas rolando: pedaços do PR, PSD e PP podem ocupar espaço deixado por Temer traíra e seus golpistas.

E atenção ao PRB: PT pode apoiar Crivella no Rio e trazer de volta 24 votos do partido contra o impeachment.

Com PR/PP/PSD, governo pode reunir 30 votos. E conta com ao menos 10 dissidentes do PMDB. E mais o PRB.

Reparem: seriam 64 votos.

Isso basta para (somados aos 110 votos da bancada de "esquerda", firmemente contra o golpe na Câmara) barrar o impeachment.

Fora isso, há reação nas ruas: OAB golpista é escorraçada, acampamento contra o golpe é montado em SP e Juca Kfouri põe pra correr arruaceiros fascistas que o incomodavam.

Quer dizer que Dilma necessariamente fica?

Não. Quer dizer que jogo está sendo jogado.

E que se Temer ganhar e der o golpe, só se sustenta debaixo de porrada. Porque viverá um inferno!

Rodrigo Vianna é jornalista e editor do blog Escrevinhador

segunda-feira, 28 de março de 2016

São Paulo é o retrato do Brasil pós-golpe! Não se investiga nada, não se avança em nada!

São Paulo, nos mais de 20 anos de comando tucano, deixou de ser a 'locomotiva' para ser o 'freio' do Brasil.

Todo o avanço industrial conquistado após a crise do café, a partir de 1929, e do acordo pós guerra de 1932, quando São Paulo abriu mão de comandar o país para se tornar o maior centro econômico da América do Sul, detendo mais de 60% da indústria nacional, foi sendo paulatinamente perdido na era tucana, a partir de 1994.

Foi na junção de comando do Estado de São Paulo e do Brasil, na gestão FHC, que o modelo neoliberal implantado promoveu o maior processo de desnacionalização da economia nacional do período republicano.

A renda se concentrou, o desempregou explodiu, não havia políticas desenvolvimentistas (o BNDES servia à política privatista) e nem aumento de vagas na educação superior (congelamento ds universidades federais e proibição do ensino técnico).

As vitórias do PT a partir de 2003 foram um ponto de inflexão no modelo neoliberal tucano em nível nacional (políticas públicas de distribuição de renda, política de fomento aos investimentos (setor de petróleo, setor naval e crédito para o consumo) e aumento da oferta de vagas no ensino técnico e superior abrangendo a parcela mais pobre da população). Mas São Paulo prosseguiu no mesmo diapasão neoliberal.

Em São Paulo todos os bancos públicos de fomento foram privatizados. A SABESP encontra-se em grave crise pois seu capital foi tirado do investimento e atirado na ciranda financeira (6 bilhões para a bolsa de NY no ano em que a crise de água já se demonstrava grave).

A educação e a saúde paulistas patinam há mais de duas décadas. Seus servidores encontram-se cada ano mais empobrecidos e doentes. A educação pública paulista é a 14a em termos de resultados e a 17a em termos de remuneração aos seus profissionais. Na saúde, São Paulo é um Estado que não fecha parceria com o SUS, pelo contrário, São Paulo lançou o AME (Ambulatório Médico de Especialidades) para competir com o SUS e na rede do SUS o Estado permite a prática livre da dupla porta, ou seja, pagamentos privados de quem pode pagar para usar médicos e equipamentos do SUS na frente de quem não pode pagar.

São Paulo é o retrato do Brasil dos anos 90 e será o retrato do futuro se o golpe prevalecer.

Inclusive com relação à corrupção.

Com a proteção da grande mídia, o governo tucano de São Paulo em mais de 20 anos não autorizou nenhuma CPI na Assembleia Legislativa. Zero CPI em 20 anos! Um escândalo abafado pela conivência dos grandes veículos de comunicação.

Só recentemente, dois escândalos de corrupção explodiram na ante-sala de Alckmin, acertando seu braço direito, o chefe de gabinete do Secretário da Educação e o Presidente da Assembleia Legislativa, sem que isso causasse maiores protestos da sociedade civil, totalmente dominada pela grande mídia e ocupada em odiar o PT.

O escândalo da merenda retirou 25 milhões dos cofres públicos paulistas e impacta fortemente a alimentação dos estudantes. E a rede de propinas que domina as obras do Estado, do metrô à construção de trechos de rodovias, como a recente denúncia na obra da Mogi-Dutra, revelada pelas listas da Odebrecht (que o Moro não quer investigar) e que aponta cerca de 600 milhões em desvios, com 5% destinados ao 'Santo'.

O golpe está armado e esta turma está pronta para assumir novamente o comando do país e reaplicar a sua política neoliberal, privatista, de arrocho na renda do trabalhador e desnacionalizante. Uma turma e uma política rejeitada nas urnas nas últimas 4 eleições, mas que busca voltar ao poder através de um caminho alternativo, um golpe travestido de legalidade que dispensa o instrumento do voto.

São Paulo é o retrato do Brasil pós golpe: com a proteção da mídia, não se investiga nada, não se avança em nada.

Ricardo Jimenez

O Calçadão bloqueia um fascista por dia!

Para quem milita à esquerda e coloca dia a dia a cara para bater já sente desde 2013 o cheiro de fascismo no ar. Desde quando a turba vociferante passou a rasgar bandeiras de partidos e camisetas vermelhas em manifestações.

O fascista não gosta de política porque esta é algo muito complexa para sua cabeça estreita. Por isso, a cada onda fascista registrada na história o roteiro se repete e o primeiro passo é sempre a negação da política.

"São todos iguais!", é o grito fascistinha clássico. "Nada presta. Esse país é um lixo" e por aí vai. Mas geralmente há um sistema de propaganda e mídia por trás para sutilmente selecionar convenientemente o foco do ódio fascista, dando sempre um tom moralista ao mesmo: "Combate à corrupção".

O fascismo, o ódio incontido já saltou das redes sociais para as ruas faz tempo. A mídia adora alimentar o fascismo porque assim tem em mãos uma matilha pronta a atacar a qualquer momento, basta dar a voz de comando.

Ao mesmo tempo que ama odiar um vilão específico, o fascista ama o herói fabricado, o símbolo do seu simplismo cognitivo, o 'salvador da pátria'. Assim, historicamente, se formam as milícias fascistas, os camisas pretas, os camisas verdes, os camisas da CBF etc.

Com a mesma facilidade com que deseja a morte física do adversário, o fascista passa por cima das regras democráticas, pois os fins justificam os meios. A democracia é sempre a vítima final do fascismo e o oportunismo político é o seu vencedor derradeiro.

Como tantos outros blogs progressistas, O Calçadão tem os seus fascistas, que surgem todos os dias com as mais terríveis ameaças: "Vou te matar seu comunista de merda", "Seu verme imundo, petralha desgraçado, vc vai morrer", " vou te encontrar uma hora dessas e vou te mostrar como funciona a minha metralhadora, seu rato". Esses são alguns exemplos de alguns comentários diários recebidos por nós.

Sempre que surge um assim, são devidamente 'printados', por garantia legal, e seus donos são sumariamente banidos dos canais de comunicação do blog. Há vários internautas que discordam de nós e que fazem comentários frequentes contra nossas postagens. Esses ficam, não há problema em fazer com eles o debate. Mas haters não são tolerados.

Mas o grande problema é que o comportamento fascista invade nossas vidas através de pessoas próximas de nós. Um advogado 'gente fina' de repente se mostra um hater. Um colega de faculdade, um amigo do futebol, da academia. O fascismo é péssimo em todos os sentidos e só é contido através de uma catarse, de um acontecimento que desperte as pessoas do torpor odiento em que foram colocadas.

Vamos ter que atravessar um período difícil no país, um período que nos foi imposto por um sistema midiático e político podre mas que nós deixamos que existisse e crescesse. Vamos avançar em termos de país e de sociedade depois disso tudo, tenho certeza, mas ainda há muita dor pela frente.

Ricardo Jimenez

domingo, 27 de março de 2016

Impeachment sem provas é golpe e um assalto ao Brasil!


O processo de impeachment conduzido por Eduardo Cunha (que planeja colocar em votação num domingo!!) e apoiado pelos principais derrotados eleitorais da oposição, e pelo conluio midiático-judicial, caminha para ser o mais vergonhoso golpe político dos últimos 50 anos.

Todos, repito, todos os personagens do golpismo estão de alguma forma envolvidos em esquemas de propina, corrupção e sonegação fiscal, mas tocam em frente a tentativa de derrubada de uma Presidente democraticamente eleita por pura conveniência política e sem que haja uma única prova sequer de crime de responsabilidade.

O golpe deu seus primeiros passos no chamado 'mensalão', surgido em 2005, com apenas dois anos do governo Lula. Vejam vocês que a paciência da Casa Grande com governos de cunho trabalhista e popular é curta e de nada adiantam 'cartas ao mercado'.

Ali no mensalão tudo já estava armado: a figura do juiz justiceiro, a mídia disseminando o ódio e a oposição pronta para tomar o poder de assalto. O problema e o mote eram os mesmos: a podridão do financiamento empresarial de campanhas tratado de maneira seletiva, anti-petista. Só não contavam com Lula sentado na cadeira de Presidente, conduzindo a reação e a sua reeleição para um segundo mandato consagrador.

Mas a nacionalização de 200 bilhões de barris no pré sal e a eleição de Dilma em 2010 (e a eleição de Haddad em SP em 2012) criaram a necessidade de uma nova onda golpista. A narrativa começou a ser construída em 2013. Ali a Globo conseguiu montar a estrutura das marchas proto-fascistas, com o apoio ainda obscuro de forças internacionais que atuam abalando a política de países não-alinhados mundo afora.

O chamado 'petrolão', base para a conflagração da Lava Jato, repetiu o problema e o mote: a podridão do financiamento empresarial de campanhas tratado seletivamente contra um único alvo. o PT. O objetivo era tomar o Planalto de assalto já em 2014. Só não contavam com Lula que, recuperado do câncer, conduziu a reeleição de Dilma.

Desde a derrota em 2014, o golpismo investiu com tudo para derrubar Dilma e aniquilar Lula. Pois aniquilar Lula é condição fundamental para derrubar Dilma (vide o desespero de causa para impedir que Lula se torne ministro).

A Lava jato passou a cuidar do aniquilamento de Lula enquanto um movimento de impeachment -conduzido por Cunha (o homem de 9 contas na Suíça e que teve seus esquemas em Furnas bloqueados por Dilma) e por Aécio (o derrotado dono de contas em Liechteinstein e 8 vezes delatado na Lava Jato) - passou a cuidar da queda de Dilma.

Tudo devidamente apoiado pela grande mídia e pela FIESP, sempre ela, financiando seus proto-fascistas de estimação, com suas micaretas dominicais transmitidas ao vivo e suas hordas teleguiadas atacando gente de vermelho como touros enfurecidos.

Mas há problemas.

Não há crime contra Dilma! Não há provas contra Lula! O juiz xerife se mostra 'quase' fora de controle e os líderes da oposição estão até o pescoço atolados em corrupção.

Os arbítrios ilegais cometidos por Moro e a Lava Jato contra Lula (atingindo a figura da Chefe de Estado), o açodamento dos oposicionistas já discutindo abertamente a divisão do butim pós-Dilma e a onda neo-fascista que começa a incomodar o país denunciam o golpe, até internacionalmente.

Impeachment sem um crime definido é golpe!

Arbítrios cometidos por um juiz de primeira instância é quebra da ordem democrática!

 A conspiração política entre PSDB e PMDB para criar um governo paralelo enquanto ainda há no país um governo eleito é uma tentativa de assalto ao Brasil!

Michel Temer e José Serra querem assumir o governo e implementar uma agenda neoliberal monstruosa sem a legitimidade do voto! Entregar 200 bilhões de barris em jazidas para as multinacionais, acabar com a CLT, privatizar todas as estatais (incluindo Caixa Federal, Banco do Brasil e Petrobrás), eliminar programas sociais e instituir no país um Estado policial que passa a fiscalizar os adversários através de grampos e invasões de privacidade.

Como ensina Hanna Arendt, na banalização do mal, incautos e autômatos, massificados por uma mídia monopolizada, apoiam esse estado de coisa acreditando estarem lutando por algo justo, sem saberem que cavam a própria cova, entregando as chaves do país a um bando de traidores, entreguistas e corruptos.

A 'ponte para o futuro' acordada por PMDB e PSDB será sustentada na grana empresarial, que será constitucionalizada assim que eles tomarem o poder. É a recolocação do poder dos coronéis, deslocados do governo central em 2003.

E a Lava jato? E o Moro? Perguntará um incauto. O futuro do Moro se pode ver pelo presente de Joaquim Barbosa. E a Lava Jato será devidamente engavetada assim que o objetivo do golpe for concretizado. Ou a atitude de Moro de não investigar a lista da Odebrecht não sinaliza isso, hein?

É preciso lutar. Defender o mandato legítimo de Dilma é defender o Brasil contra o golpe. Defender Lula diante dos arbítrios da Lava Jato é defender o Brasil contra o golpe.

A legalidade continua a crescer, forças políticas e sociais se movimentam no Brasil e no exterior, a própria OAB que, como em 64, passou a defender o golpe, sofre um processo de racha advindo de seus membros advogados. Comitês anti-golpe se multiplicam pelo país e a Frente Brasil Popular  e a Frente Povo Sem Medo se fortalecem.

Ainda há luta pela frente e a democracia vale a pena.

Ricardo Jimenez

Intervenção de Alípio Freire. Restaurante Viena, Av. Paulista, SP


Foto: Filipe Peres

sexta-feira, 25 de março de 2016

Contagem regressiva para 100 mil visualizações!


Há 15 meses no ar, o blog O Calçadão caminha para a marca de 100 mil visualizações. Atingimos 500 postagens entre artigos de opinião, entrevistas e coberturas de eventos ligados aos movimentos populares de Ribeirão Preto.

E vamos continuar em frente, na mesma linha, à esquerda, defendendo o empoderamento popular, a democracia, o desenvolvimento e a soberania do Brasil.

Equipe O Calçadão

Papo no Calçadão com Padre Chico


Sexta-Feira Santa. Por Padre Chico Vanneron

Conspiração do Sinédrio - James Tissot

Sexta-feira Santa          

TODA COMPARAÇÃO COM A CONJUNTURA POLÍTICA ATUAL VIVENCIADA NESTES SOMBRIOS DIAS BRASILEIROS = MERA COINCIDÊNCIA!


Quando nós católicos nas celebrações litúrgicas rezamos a profissão de fé, costumamos dizer que Jesus “padeceu sob Póncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado”.

Mesmo que a morte de Jesus possa ser comprovada historicamente, é lícito perguntar: Quem foi o responsável?

No passado, e continua assim no presente, muita gente comete grande injustiça, afirmando que foi o POVO judeu que matou o Filho Unigênito de Deus!

Lendo atentamente o evangelho de João, é possível ver melhor essa questão. Antes, porém, é preciso ver outra coisa. Na verdade, por muito tempo se pensou que o Pai celeste tivesse desejado a morte dele. Em poucas palavras, se afirmava que Deus QUIS que seu Filho morresse. Entretanto, quem pensa dessa forma dificilmente consegue fazer uma síntese entre o Deus da vida e o Deus que planeja e quer a morte do Filho. É melhor, portanto, seguir outro caminho, a saber: a morte de Jesus é fruto de uma armação montada pelos poderosos daquele tempo!

Vamos então aprofundar, começando pela constatação que desde o início, primeiro capítulo versículo 5, João mostra um conflito, afirmando: “Essa luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguem apagá-la”. A luz é Jesus. As trevas são as pessoas que o mataram. Mas não conseguiram apagar a luz, pois Jesus ressuscitou!

Alguns capítulos adiante, o evangelista mostra que as trevas já tinham tomado a decisão de eliminar a luz. Vejamos no quinto capítulo, versículo 18: “As autoridades dos judeus tinham mais vontade ainda de matar Jesus, porque, além de violar a lei do sábado, chegava a dizer que Deus era seu Pai, fazendo-se igual a Ele”. Duas coisas devem ser ditas a respeito dessa afirmação:
1)     Aparece um grupo com vontade de acabar com ele e esse desejo se torna mais intenso à medida que avançamos no evangelho.
2)     Trata-se de definir quem pertence a esse grupo. A exegese pertinente mostra que são as lideranças políticas, econômicas e religiosas dos judeus. Aliás, contemplando os capítulos 18 e 19 chegamos à conclusão de que o povo foi o grande ausente no processo condenatório.




Mais claramente aparecem os responsáveis em João 7,45: “Os guardas do Templo foram para onde estavam os chefes dos sacerdotes e fariseus. E estes perguntaram: ‘Por que vocês não trouxeram Jesus?’ ”. CHEFES DOS SACERDOTES e FARISEUS eram dois grupos importantes que possuíam soldados (quer dizer, polícia) à sua disposição, sendo membros do SINÈDRIO que era o Supremo Tribunal daquela época.

Os Romanos que dominavam a Palestina permitiram que o Sinédrio continuasse a exercer seu papel, mas impuseram-no duas condições:
a)     a primeira dizia respeito ao cargo do SUMO SACERDOTE, o presidente que representava a autoridade máxima dos judeus: a função não seria mais hereditária como antes, pois o império estrangeiro nomearia quem lhe parecesse mais conivente;
b)    a segunda referia-se à PENA DE MORTE que o Sinédrio não poderia mais decretar já que precisaria em diante da autorização do governador;

Fica claro, portanto, o que ocorreu com Jesus. Sua prática a favor da vida PARA TODOS incomodava a quem cabia no termo ‘trevas’ de São João. Todavia, o tribunal dos judeus não tinha mais autoridade de entregá-lo à pena capital e por isso fez de tudo para pôr Pilatos contra a parede. De fato, a estocada derradeira foi colocá-lo diante dum dilema fazendo com que estivesse correndo o risco de perder seu poder. Capítulo 19, versículo 12: “Se você soltar esse homem, você não é amigo de César. Todo aquele que pretende ser rei, se coloca contra César”. O governador está num beco sem saída: não quer condenar Jesus; porém se não o fizer, será denunciado ao imperador César e, por causa disso, perderá seu mandato. Consequentemente concede que Jesus seja morto!

Meus irmãos e minhas irmãs,
Resumindo podemos afirmar que foram os poderosos que assassinaram Jesus. Souberam encurralar Pilatos de modo que deu a sentença a favor da crucificação. O povo, por assim dizer, em quase nada participou! A morte do nosso Salvador foi resultado dum ÓDIO VIOLENTO DA PARTE DA ELITE, não querendo ceder a uma sociedade com dignidade e bem-estar igualitários para todo mundo!

E a pergunta final que não quer calar: Se Jesus voltasse à terra, por quem seria morto novamente? Provavelmente pelos mesmos detentores do poder. Por isso, na hora de venerar a cruz questione-se: COM A MINHA CUMPLICIDADE, SIM OU NÃO? EU ME OMITINDO OU FAZENDO A MINHA PARTE PARA QUE A SOCIEDADE SE TRANSFORME, PARA QUE A HUMANIDADE SE REGENERE?

Padre Chico é pároco da Igreja Santa Terezinha do Menino Jesus e Capelão dos movimentos sociais de Ribeirão Preto e do blog O Calçadão

Atos do dia 19 de março em Ribeirão: Sardinha, Isabella e Gabi van Pelti


quinta-feira, 24 de março de 2016

Legalidade deve jogar luz sobre o sequestro de Lula, grampos ilegais e lista da Odebrecht!

Os três episódios descritos no título são de suma importância na luta contra a escalada arbitrária que ganhou força no Brasil com a operação Lava Jato e sua parceria com a grande mídia.

Diante do canhão midiático apontado para a cara dos discordantes e do volume das manifestações de rua provocadas pela crise política deflagrada pela não aceitação da oposição da derrota eleitoral, o arbítrio cresceu em terreno fértil nesses últimos dois anos e meio.

O que falar das constantes negativas de Habeas corpus diante de prisões preventivas permanentes e punitivas? A Lava Jato, e o juiz Moro, conseguiram subverter a máxima secular de que a liberdade física do homem é um direito fundamental e que a exceção é a privação de liberdade, baseada em provas e julgamento com amplo direito de defesa.

A Lava Jato vai de encontro à posição do próprio STF com relação ao exagero da prisão cautelar e seu uso como instrumento para obrigar a 'delação premiada'. Dizia o decano Celso de Mello em 2009: "(...) a prisão cautelar não pode ter o sentido de penalizar (...) o direito ao silêncio tem estatura constitucional (...) ninguém é obrigado a produzir provas contra si (...). E o exercício desta prerrogativa constitucional, além de não importar em confissão, jamais poderá ser interpretado em prejuízo da defesa(...) a prisão cautelar não pode ter o sentido de penalizar. E mais, a prisão cautelar não viola a presunção de inocência. E diz o decano do STF: "O CLAMOR PÚBLICO, AINDA QUE SE TRATE DE CRIME HEDIONDO, NÃO CONSTITUI FATOR DE LEGITIMAÇÃO DA PRIVAÇÃO CAUTELAR DA LIBERDADE.".

Mas nada disso importou na escalada do arbítrio. Verdade que o instrumento da prisão cautelar se transformou em punição para o pobre já faz tempo, mas o ódio se espalhou e muitos elementos do Judiciário se despiram da toga, muitos membros do Ministério Público e da PF tomaram partido político. O clima de caça ao PT e aos petistas, dos grandes aos mais simples militantes, se alastrou sem que as vozes da razão se levantassem. Busca-se justificar o arbítrio em nome da caça ao PT e sob a falácia de que se está agora 'punindo os poderosos'.

Até agora.

A seletividade nas investigações sempre foi clara e notória para muitos, mas se escancarou no episódio da divulgação dos grampos. Ali, juiz e emissora de televisão tentaram acender o rastilho de pólvora do golpe. Ali, juiz e emissora buscaram interferir no processo político agindo de uma forma a impedir a posse do ex-Presidente Lula.

O rubicão foi cruzado e a legalidade começou a crescer. Vozes começaram a ser ouvidas. O grito 'não vai ter golpe' foi crescendo e é hoje o mais importante grito dos últimos 30 anos.

O movimento se tornou mais amplo do que o PT, Lula ou Dilma, mas continua a se apoiar, corretamente, neles para avançar.

A democracia exige saber o que de fato ocorreu na sexta dia 4 de março, no sequestro de Lula. Por que Congonhas? Por que condução coercitiva sem intimação prévia? O que ocorreu no aeroporto? Houve mesmo a interferência de um oficial da aeronáutica impedindo os meganhas de embarcarem Lula para Curitiba?

A democracia exige saber como ocorreu o vazamento dos grampos contendo conversas da Chefe de Estado no mesmo dia da posse de Lula. Com que objetivo? Se foi crime, quando e como se punirão os culpados? E o grampo aos advogados? Crime!

E agora a questão da Odebrecht. De onde veio esta lista? Como ela chegou às mãos do jornalista? Com que objetivo? Por que o juiz de Curitiba decretou sigilo?  Será porque Lula e Dilma não aparecem na lista? Por que a Lava Jato não aceitou a proposta de delação feita por Marcelo Odebrecht? Será que é porque ele fará uma delação parecida com a lista, contendo todos, inclusive a oposição? Ou será que a lista foi divulgada de propósito apenas para reacender o jogo do impeachment?

O país ficou calado por muito tempo vendo em silêncio o crescer da ilegalidade e da truculência. Tolerou Moro e tolerou as hordas coxinhas por tempo demais. "Não vai ter golpe" é um grito de chega!

Todos devem ser investigados na forma da lei, sem seletividade e sem usar a Justiça como parte de um jogo político, muito menos um juiz se sentir 'tocado' após uma manifestação de rua anti-petista.

Uma democracia não deve tolerar nada que não possa ser exposto à luz do Sol.

Mais uma vez repito: tudo dependerá do STF. Parafraseando Marco Aurélio Melo, o STFé a última trincheira da legalidade. Que cumpra seu papel jogando luz nas sombras.

Ricardo Jimenez

quarta-feira, 23 de março de 2016

O Calçadão recomenda a leitura de FALN - A Guerrilha em Ribeirão Preto

Nestes tempos onde o arbítrio e o fascismo ameaçam ressurgir das tumbas da história, é momento de nos fortalecermos com as armas intelectuais.

O blog O Calçadão recomenda o livro escrito pelo nosso companheiro Marcelo Botosso, Mestre em História e intelectual militante.

"Uma vez que os riscos à integridade do país nunca se esgotam, essas deveriam ser reflexões permanentes." (nota do editor)

Clique no link para adquirir o livro: https://holoseditora.websiteseguro.com/index.php?area=produto&prodid=66&cat=36

A falácia da bandeira anticorrupção e a corrupção sem bandeira! Marcelo Botosso




O atual discurso anticorrupção é visivelmente ideológico. 

Vazio de sentido prático e real, sua intenção se alimenta na fonte do contraditório acobertada pelo fino manto do debate raso. 

Na melhor das hipóteses, só os mais “desavisados” o assimilam. 

Nessa circunstância, declarar-se contra a corrupção é tão desnecessário quanto dizer-se contra a pedofilia. Claro, ao menos que o emissor seja corrupto ou pedófilo, respectivamente, quiçá um néscio como tantas outras vacas de presépio que se despontam pelo país a fora.
Marcelo Botosso

Agora é oficial, acabou o moralismo seletivo! Leonardo Sacramento


Para você que tem sentimento seletivo sobre o que é corrupção e o que não é corrupção, assumindo um discurso parecido com o discurso produzido pré-Golpe de 64, saiba que a Odebrecht acabou de fazer a sua delação "definitiva".

Entre os 'famigerados' constam Alckmin, Serra, Aécio Neves, Caiado (aquele que muitos adoram), Cunha, Renan, Paulinho da Força, Rodrigo Maia, Nogueira (um dos ladrões da merenda), Beto Mansur, Agripino Maia, PPS e PSB, enfim, todos os arquitetos do impeachment. 

Sobrou até para o filho do Ratinho (não se pode esquecer do escândalo do HSBC, que nunca foi falado na mídia porque envolvia a Globo também). Sobrou até para o PV, com cinco citações.

Acabou de se provar, com documentos (basta ter paciência e lê-los), que todos estão envolvidos. Toda a bancada do PMDB recebeu propina da Odebrecht, todos, sem exceção! 

Até a bancada de vereadores do PSDB de São Paulo recebeu propina, demonstrando o quão é entranhado no sistema político o financiamento privado e o Caixa 2 para favorecimento de empresas.

Portanto, não é somente questão de moralidade e ética individuais, mas é sistêmico. Enfim, está provado.

O PT tem caixa 2? Tem! E tem ser responsabilizado criminalmente por isso.

Agora, assumir um discurso que só o PT tem caixa 2, ou que o PT inventou a roda chamada Caixa 2, é ser golpista, principalmente pelos nomes que acabaram de ser delatados, todos defensores do impeachment.

Defendo a Lava-Jato. Mas não defendo uma investigação que tem objetivo político de acabar com um partido para o qual o juiz não tem simpatia política, fazendo-o "esquecer" dos outros nomes e partidos, especialmente os de seu gosto político.

Defendo também mais serenidade à questão. O candidato a prefeito de Ribeirão Preto pelo PDT discordou da posição do PDT nacional sobre o impeachment. Ok. Mas o seu discurso mostra que objetiva arrebanhar a massa de confusos que odeia o PT e que saiu às ruas no dia 13 de março. 

Mas quero que registre que o PDT nacional consta também na delação "definitiva" da Odebrecht. Gostaria de ver o mesmo ímpeto para criticar o PDT nacional, que provavelmente financiará a sua campanha, já que tem chances reais de vencer.

Agora estou ansioso para ver como se comportará a massa de pessoas "indignadas" e "revoltadas" contra a corrupção. Continuará "indignada" e "revoltada somente contra o PT?

Abaixo deixo o link e duas fotos relevadoras de documentos da Odebrecht.


Leonardo Sacramento é professor e Secretário-Geral da Aproferp

Posicionamento de Ricardo Silva afronta o PDT e os democratas de Ribeirão Preto!



Vivemos um momento histórico em nosso país, um momento que vai separar os verdadeiros democratas, os legalistas, dos golpistas, dos meninos oportunistas.

É momento de se posicionar diante do avanço fascista que saltou das redes sociais para a frente da casa de Ministros do Supremo Tribunal Federal, com hordas comandadas por jornalistas da grande mídia.

É momento de se posicionar contra a campanha de cunho nazista empreendida contra o Partido dos Trabalhadores e sua militância, como se a corrupção no país fosse fruto exclusivo de um partido.

Direitos fundamentais têm sido rasgados em nome de um moralista e mentiroso 'combate à corrupção', sindicatos e sedes partidárias têm sido covardemente atacados, pessoas têm sido agredidas por usar vermelho ou por expressarem uma opinião discordante da turba ensandecida.

Um oportunista processo de impeachment vem sendo conduzido por uma figura como Eduardo Cunha e apoiado pelo PSDB de Aécio Neves e José Serra contra uma Presidente eleita e contra a qual não há crime imputado.

Contra isso a legalidade vem se levantando no Brasil todo, envolvendo todos os democratas e legalistas do país, preocupados com nossos maiores patrimônios, a democracia e o Estado Democrático de Direito.

Nessa luta se inclui o PDT de Carlos Luppi e Ciro Gomes, que na melhor tradição do partido fundado por Leonel Brizola, tomou posição anti-golpista e legalista, colocando-se na linha de frente do basta ao avanço da intolerância e do arbítrio.

Mais eis que surge Ricardo Silva e seu oportunismo barato, visando um cálculo eleitoral momentâneo. Como este blog já havia escrito outras vezes, era impossível Ricardo Silva não fechar com o golpismo e com o anti-petismo rasteiro. Sua trajetória política foi construída sobre bases frágeis, fluidas. Basta ver a posição do próprio com relação à Dárcy Vera, do apoio à oposição mais radical, tudo friamente calculado.

Ribeirão Preto é considerada hoje a 'capital coxinha' e, por aqui, quase todos vão querer tirar uma lasquinha do anti-petismo para faturar uns votinhos, imagina se o rapaz que é líder das pesquisas não faria?

Mas ao fazê-lo, Ricardinho abraça o golpismo e não afronta apenas o seu partido, afronta a todos os democratas que se levantam hoje no país e em Ribeirão Preto, até dentro do seu próprio diretório, enfrentando com coragem a luta. Ricardinho abraça os fascistas que foram ontem a noite gritar na frente da casa do filho do Ministro Teori, cujo endereço foi criminosamente divulgado por Lobão, abraça os criminosos que atiraram morteiros para dentro da sede do PT de Ribeirão, episódio que não mereceu uma palavra sequer do pré-candidato. Ricardinho abraça Eduardo Cunha, Aécio Neves, Paulinho da Força, a grande mídia, Lobão, Revoltados Online e Marcos Feliciano (este fisicamente abraçado dias atrás).

No seu anti-petismo irresponsável, oportunista e rasteiro, Ricardinho deixou de dizer que, sim, ele chegou a paquerar o PT para esta eleição de 2016. Sim, houve conversas entre Ricardinho e alguns membros do PT visando uma provável aliança para 2016. Mas certamente o agravamento da crise o fez mudar de ideia e agora vem pousar de anti-petista puritano.

Espero sinceramente que os petistas que chegaram a conversar com o pré-candidato tenham se arrependido e que os eleitores anti-petistas que pretendem votar no pré-candidato saibam: ele não é tão anti-petista assim!

O posicionamento de Ricardo Silva afronta o PT, afronta os legalistas, afronta o PDT e toma uma posição clara neste momento histórico que vai separar homens de meninos.

Ricardo Jimenez

terça-feira, 22 de março de 2016

Teori enquadra Moro: devolva e explique-se!

"Não vai ter golpe" é o grito histórico que está servindo de cimento da unidade legalista e democrática em todo o Brasil!

Certamente que esse agigantamento legalista que vai dominando o país tem reflexos na nossa Corte Suprema, pois é lá que tudo se resolverá.

Em uma decisão que já passa a ser histórica, o Ministro Teori Zavascki determinou que tudo o que se refere ao ex-Presidente Lula na Lava Jato seja imediatamente devolvido ao STF.

Essa decisão é uma bofetada em Gilmar Mendes, o tucano do STF que tentou passar por cima de Teori e reacender a fogueira do golpe ao remeter tudo ao Moro e ainda dar parecer favorável à suspensão da nomeação de Lula ministro.

É a primeira vez que o xerife de Curitiba, o galã do Jornal Nacional é confrontado e mais, Teori deu 10 dias para ele se explicar sobre os vazamentos dos grampos contendo diálogos envolvendo a Chefe de Estado, um crime cometido por Moro.

Que a legalidade se agigante ainda mais, que o STF cumpra seu papel de empossar Lula, enquadrar Moro e afastar Eduardo Cunha da Presidência da Câmara.

Marco Aurélio Melo já deu mostras de como pensa, Teori vai na mesma linha.

O Brasil precisa reencontrar sua paz e voltar a construir seu caminho dentro da legalidade.

Não vai ter golpe!

Ricardo Jimenez

"Não vai ter Golpe!" é o grito mais importante dos últimos 30 anos!


É o grito da legalidade que se levanta na unidade dos democratas!

É o grito em defesa da democracia e da legitimidade do voto!

É o grito em defesa dos avanços sociais e da inclusão que não podem parar!

É o grito em defesa da soberania!

É o grito em defesa da justiça!

É o grito guardado no peito do brasileiro que ama o seu país, a sua história e o seu povo!

NÃO VAI TER GOLPE!!

Ricardo Jimenez

Até agora contra o Lula apenas julgamento moral fascista, rasteiro. Prova, nenhuma!


A tática truculenta, nefasta e covarde é bem conhecida.

Usando a força de uma emissora de televisão e seus penduricalhos menores, o golpismo tem usado e abusado da tática de fustigamento à imagem de Lula.

A Lava Jato está sendo conduzida para disseminar no país a sensação de corrupção generalizada, para desacreditar a prática política e, assim, tornar mais fácil a subida de um 'herói' construído no imaginário popular.

Para um herói subir, outro deve cair.

A tática é não só golpista, é fascista!

Para um fascista, julgamento moral é tudo!

Para um fascista, voto não vale nada, a complexidade da política e da prática cotidiana também nada valem, a lei não vale nada, e pior, tudo isso é incompreensível para o seu entendimento estreito.

O fascista precisa de coisa simples, de sim ou não, de alguém que lhe diga o que fazer e pra onde ir. O fascista é a massa de manobra perfeita para o arbítrio e o autoritarismo.

A tática atual criou um alvo a ser odiado, Lula (o que não é novo, já foi feito com Vargas, com Jango, com Brizola e com o próprio Lula de 1989 a 2002) e um herói, Moro (coisa que também não é nova).

O fascista odeia o Lula e, a reboque, tudo o que ele simboliza: o pobre, o negro, a cor vermelha, o trabalhador, o sindicalista, os programas sociais. O fascista ama o Moro e tudo o que ele simboliza: o herói acima das leis que 'limpa' o país do mal (quem é Moro para o fascista comum? um homem de preto que aparece no JN perseguindo o inimigo. Nada além disso. Nem a voz dele se conhece).

Mas a verdade é que, até agora, a tática fascista só avançou neste quesito, no julgamento moral. "É o apartamento!! é o sítio!!, é a Petrobrás!!, são as delações!!".  Eles gritam mas, e as provas?

Provas existem aos montes contra Cunha, Aécio e até contra uma certa emissora ligada a uma offshore no Panamá. Mas contra Lula, nada!

O golpismo não tem provas, nem contra Lula e nem contra Dilma. Os grampos inocentam Lula e criminalizam Moro! Por isso a Globo omite trechos fundamentais deles e busca pressionar os Ministros do STF.

É preciso continuar a defender Lula, e Dilma, nas ruas e na busca do bom direito.

A legalidade avança cada dia mais e a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo lançam uma ofensiva de diálogo com as massas trabalhadoras. Os blogs e portais progressistas se unem em um esforço de contra-narrativa à mídia tradicional.

E é preciso insistir no STF como guardião da legalidade!

Essa luta tem que buscar desmascarar o caráter seletivo e político da Lava Jato, a aliança entre Moro e Globo. Tem que denunciar os abusos ilegais cometidos. Tem também que buscar contestar a presença de Eduardo Cunha no comando da Câmara, assim como o oportunismo de parte do PMDB e do PSDB de tentar golpear a legitimidade de 54 milhões de votos tentando o impeachment contra uma Presidente contra a qual não há crime de responsabilidade imputado.

Insisto, o golpismo, apesar de operar em conjunto, não é um bloco maciço. A aliança Moro e Globo, com suas falanges fascistas vestidas com a camisa da CBF, ameaça a parte política do golpismo. Cunha, Serra, Aécio e tutti quanti podem vir a ser as próximas vítimas desse processo que criminaliza a política.

E só um político é capaz de atuar na pacificação do país e reconstruir minimamente as bases políticas e democráticas no Brasil de hoje: Lula. SEr ou não Ministro é a jogada decisiva que se vive hoje no país.

Defender Lula nas atuais circunstâncias é defender a democracia contra o golpismo.

Ricardo Jimenez

Se o STF não reagir, o golpe avançará para um Estado de exceção neoliberal!

Vou re-enumerar aqui a lista publicada pelo Rodrigo Vianna em artigo na Revista FórumDesde o dia 4 de março, a rigor, assistimos a um golpe em câmera lenta: 1) a condução coercitiva de Lula, precedida de intensa manipulação midiática produzida pela Globo; 2) a invasão de sindicatos pela PM paulista; 3) a queima de sedes de partidos e sindicatos Brasil afora; 4) os ataques  fascistas no meio da rua, intimidando homens e mulheres; 5) a divulgação ilegal de grampos da presidenta da República; 6) a violação do sigilo telefônico de 25 advogados, por parte do “juiz” Moro.

Somos um país sequestrado pelo poder de uma mídia hegemônica que endossa os arbítrios de um juiz de primeira instância (obscuro e cuja imagem é cultuada em poses de cabeça erguida e de camisa preta, bem ao gosto fascistoide), por um aparelho de Estado que age absolutamente sem controle ao arrepio da Constituição, por um Ministro do STF que rasga a toga e a dignidade da magistratura nacional ao se reunir com José Serra, um dos idealizadores do golpe, no dia em que proferiu uma decisão ilegal contra Lula, e por um Parlamento dominado pelo poder da grana empresarial e que toca um processo de impeachment liderado por Eduardo Cunha e Aécio Neves, ambos possuidores de contas secretas no exterior e delatados na Lava Jato.

Parafraseando Rodrigo Vianna novamente, temos um golpe em marcha. Impedir que Lula chegue ao Ministério é impedir que a crise política seja superada. Mantendo a crise, mantém-se o golpe. 

Simples assim: é preciso destruir Lula para se atingir o poder. Lula é a última trincheira política a ser superada.

Tudo começou com a conduta do juiz da Lava Jato, com auxílio da Globo, transpondo para o Brasil a aberração jurídica, política e social que foi a operação mãos limpas italiana. Manter um cidadão preso de maneira provisória por mais de um ano até extrair dele uma 'delação' é um escândalo.

Até mesmo a nossa Suprema corte tem negado Habeas Corpus para os presos preventivos que clamam ao bom direito.

Todos se silenciaram por muito tempo, acuados pela mídia, e o monstro cresceu e se aliou, em linhas gerais, ao processo de golpe político contra Dilma liderado por Eduardo Cunha, Aécio Neves e, agora, José Serra e Gilmar Mendes.

O golpe político deu força ao golpe de Estado, praticado pela República de Curitiba, no estilo paraguaio-fascistoide: eliminar o PT do mapa e assumir o poder com uma capa de legalidade. 

Até agora um auxiliou o outro na caça ao Lula e na derrubada da Dilma. Mas o futuro é incerto. 

Há diferenças dentro do golpismo, Moro e Globo têm diferenças com a aliança PMDB e PSDB, sendo esses últimos veladamente ameaçados pelos primeiros.

Essas  diferenças podem conduzir para um rompimento, com Moro sobrepujando os demais e surgindo como o 'salvador' do Brasil da tela do Jornal Nacional direto para o Planalto, comandando um Estado policial-midiático, ou pode haver um acordo, levando Michel Temer e Serra para o comando de um Brasil semi-presidencialista, neoliberal e de posse de uma lei anti-terrorismo.

De qualquer forma, tempos sinistros e sombrios rondam o Brasil, porque a Globo vai estar no comando em qualquer hipótese.

A legalidade se levanta no país todo. Milhões de brasileiros já perceberam que estamos sendo conduzidos a uma situação grave de ameaça à democracia e aos avanços dos últimos anos em termos de direitos individuais, coletivos e sociais. Mas a instalação do impeachment por Cunha e a decisão de Gilmar de colocar Lula nas mãos de moro, ambas na semana passada, fizeram o golpe dar um passo à frente da legalidade.

Como última barreira legalista ao avanço do arbítrio está o STF. A mídia tem bombardeado fortemente os seus ministros, em um sistema de chantagem que já mostrou resultados no julgamento midiático do mensalão. As turbas fascistas que hoje infestam o país já se mostraram capazes de perseguir e coagir Ministros da Suprema corte em frente a casa deles, na vida pessoal.

Para Rodrigo Vianna e outros companheiros que respeito, essa barreira não existe e nunca existiu. A mudança na lei processual penal autorizada pelo Supremo reduzindo a apelação a apenas duas instâncias antes da prisão do réu foi o péssimo sinal de retrocesso da corte, um jogar para o público mais boçal e vingativo que existe hoje.

Vianna afirma que Lula deve entrar em uma Embaixada estrangeira e solicitar asilo político, denunciando a ruptura democrática.

Talvez ele esteja certo, mas eu vou ainda cultivar os últimos fiapos de esperança. Confio no STF como bastião da legalidade contra o arbítrio. Mas se o Supremo, nos próximos dias, vacilar em deliberar sobre tudo que se refere a essa crise, decidindo sobre a legalidade de Lula assumir o ministério e condenando os abusos de Moro, e sobre a legitimidade de Eduardo Cunha de conduzir um processo de impeachment mesmo denunciado pela PGR, sinto que vou me unir a Vianna.

Nos últimos dias, assim como milhões de legalistas brasileiros, tenho vivido horas de angústia e apreensão. Dói ver o Brasil sendo novamente jogado nos braços da intolerância e do arbítrio.

Mas também trago no peito o entusiasmo para lutar.  

Está à nossa frente um inimigo poderoso que pretende reinstalar por aqui um projeto neoliberal, mas um projeto neoliberal sustentado em um Estado policial que invade a privacidade de qualquer um e esmaga a luta dos movimentos sociais através da lei anti-terrorismo.

Um Estado de exceção neoliberal e de exclusão.

O consórcio golpista, que junta mídia, PSDB, PMDB, Moro, setores dissidentes de Estado e, certamente, um comando internacional ainda nebuloso, quer conduzir o Brasil a um futuro onde o império do financiamento empresarial vai dominar a política e a Casa Grande vai garantir que a desigualdade social se mantenha eternamente, através do sufocamento das vozes populares. 

Um país sem projeto onde suas riquezas, principalmente o pré sal, serão destinadas aos cofres das grandes multinacionais.

É contra isso que lutamos e, hoje, essa luta se expressa na defesa intransigente de Lula e da legalidade dos 54 milhões de votos dados a Dilma em 2014. Denunciar, sem meios termos, o golpismo que se insurge no despotismo de um juiz e num processo de impeachment comandado por pulhas, que já planejam a divisão do país entre si no pós Dilma.

É o futuro do Brasil que está em jogo e o povo trabalhador, mesmo insatisfeito com o governo, não coaduna com o golpe e muito menos com o massacre feito a Lula. 

Merecem a nossa luta.

Aguardo e espero que o STF cumpra seu papel e não se acovarde diante de sua responsabilidade histórica. Do contrário, Moro et caterva estarão livres para rasgar a Constituição e sacramentar o golpe com consequências imprevisíveis.

Ricardo Jimenez