domingo, 3 de janeiro de 2016

2015- Golpismo, banditismo, fé e resistência!


2016 vai começar em luta.

A luta da Presidenta Dilma para permanecer no cargo para o qual foi eleita e governar. Acertando e errando. Acertando ao manter a valorização do mínimo e errando ao, novamente, dar moral para a Folha num artigo de começo de ano e dizer que buscará uma 'reforma previdenciária'.

Vai permanecer a luta e a caminhada do papa Francisco, sempre acertando, na mosca. Francisco é o sopro refrescante no caldeirão do capitalismo financista e xenófobo. Conquista os corações progressistas, toca os corações católicos adormecidos e gera ódio nos 'puritanos' da direita católica.

Vai permanecer até onde der a aliança Cunha-Aécio. Um em busca de sobreviver politicamente até o limite de evitar a cadeia, o outro em busca de usar todas as ferramentas para buscar um golpe político que lhe dê o cargo que os votos não deram.  Se o STF fizer o seu papel com relação a Cunha e o Procurador-Geral abrir inquérito contra Aécio na Lava-Jato (que eu duvido), a aliança não chega em abril.

Com essa aliança no chão, poderemos respirar aliviados e buscar resgatar uma agenda progressista, sem os retrocessos da bancada BBB (Boi, Bala e Bíblia), eleita com os milhões empresariais. Poderemos avançar para eleições municipais sem financiamento empresarial e mais baratas, poderemos retomar os avanços em termos de direitos humanos e de minorias.

No meio disso está a mobilização social, principalmente os rumos da Frente Brasil Popular. É da luta nas ruas que vai surgir a vitória e a definição dos rumos do governo. O que o Brasil precisa e o brasileiro espera é a volta do crescimento e geração de empregos. Isso se faz com políticas de fomento, com reforma tributária justa e políticas sociais, jamais com arroxo, juros e reforma da Previdência. Basta um pouquinho de boa vontade e a popularidade de Dilma vira.

Vamos começar 2016 com ânimo e força. Temos um Brasil para construir!

Ricardo Jimenez

Nenhum comentário:

Postar um comentário